A Casa África criou uma linha editorial para dar visibilidade ao conhecimento dos pensadores, escritores e teóricos africanos e africanistas, com o objectivo de apoiar o estudo e a investigação sobre temas que se relacionam com o desenvolvimento e as potencialidades do continente, de um ponto de vista afastado dos estereótipos com os quais tradicionalmente se abordou a realidade africana.

A Colecção de Literatura Casa África, em colaboração com ElCobre Ediciones, tem por objectivo a tradução para castelhano dos títulos mais relevantes da literatura africana, tanto dos escritores já consagrados como das novas fornadas. Conta com os seguintes títulos:

 
Kuti, Memoria de Sangre

El Antipueblo (O Anti-Povo)

Sony Labou Tansi
O Antipueblo( O Anti-Povo) é uma novela truculenta, grotesca, uma sátira político-social feroz que nos relata a historia de Dadú, esposo e pai modelo, funcionário íntegro, director adjunto da Escola Normal de Magistério de Kinshasa, um cidadão exemplar do Zaire a quem os encantos de Yavelde, uma das suas jovens estudantes, põem à prova. Como se resiste à tentação, em Kinshasa ou em qualquer outra parte?
Assim começa para Dadú uma aventura extraordinária e espantosa, que o levará aos calabouços do seu próprio país e, dali, num crescendo inelutável, à guerrilha contra-revolucionária do Estado limítrofe, onde lhe encarregam o assassinato do 'Primeiro Ministro', o poder 'anti-povo'.

 
Kuti, Memoria de Sangre

El Antipueblo (O Anti-Povo)

Sony Labou Tansi
O Antipueblo( O Anti-Povo) é uma novela truculenta, grotesca, uma sátira político-social feroz que nos relata a historia de Dadú, esposo e pai modelo, funcionário íntegro, director adjunto da Escola Normal de Magistério de Kinshasa, um cidadão exemplar do Zaire a quem os encantos de Yavelde, uma das suas jovens estudantes, põem à prova. Como se resiste à tentação, em Kinshasa ou em qualquer outra parte?
Assim começa para Dadú uma aventura extraordinária e espantosa, que o levará aos calabouços do seu próprio país e, dali, num crescendo inelutável, à guerrilha contra-revolucionária do Estado limítrofe, onde lhe encarregam o assassinato do 'Primeiro Ministro', o poder 'anti-povo'.

 
Kuti, Memoria de Sangre

El Antipueblo (O Anti-Povo)

Sony Labou Tansi
O Antipueblo( O Anti-Povo) é uma novela truculenta, grotesca, uma sátira político-social feroz que nos relata a historia de Dadú, esposo e pai modelo, funcionário íntegro, director adjunto da Escola Normal de Magistério de Kinshasa, um cidadão exemplar do Zaire a quem os encantos de Yavelde, uma das suas jovens estudantes, põem à prova. Como se resiste à tentação, em Kinshasa ou em qualquer outra parte?
Assim começa para Dadú uma aventura extraordinária e espantosa, que o levará aos calabouços do seu próprio país e, dali, num crescendo inelutável, à guerrilha contra-revolucionária do Estado limítrofe, onde lhe encarregam o assassinato do 'Primeiro Ministro', o poder 'anti-povo'.

 
Kuti, Memoria de Sangre

Kuti, Memoria de Sangre (Kuti, Memória de Sangue)

Aïda Mady Diallo
Gao, Mali, 6 de Março de 1984. A aldeia é atacada por um bando de saqueadores tuaregues. A família de Kuty, uma menina de 10 anos, é massacrada perante si por quatro homens que atiram contra uma parede e degolam o seu pai, enquanto assiste à violação da sua mulher, a mãe de Kuty, que se suicida pouco depois por imolação.  Kuty, memoria de sangre/Kuty, memória de sangue é o relato da longa vingança desta menina. É também uma parte da história da África que viu, durante muito tempo, como o povo negro era capturado e vendido como escravo pelos senhores do deserto. É sobretudo a primeira novela negra escrita por uma jovem africana que nos transmite, através das suas emoções, a história de toda uma geração que lutou pela liberdade.

 
Kuti, Memoria de Sangre

Kuti, Memoria de Sangre (Kuti, Memória de Sangue)

Aïda Mady Diallo
Gao, Mali, 6 de Março de 1984. A aldeia é atacada por um bando de saqueadores tuaregues. A família de Kuty, uma menina de 10 anos, é massacrada perante si por quatro homens que atiram contra uma parede e degolam o seu pai, enquanto assiste à violação da sua mulher, a mãe de Kuty, que se suicida pouco depois por imolação.  Kuty, memoria de sangre/Kuty, memória de sangue é o relato da longa vingança desta menina. É também uma parte da história da África que viu, durante muito tempo, como o povo negro era capturado e vendido como escravo pelos senhores do deserto. É sobretudo a primeira novela negra escrita por uma jovem africana que nos transmite, através das suas emoções, a história de toda uma geração que lutou pela liberdade.

 
El otro pie de la sirena

El otro pie de la sirena

Mia Couto
Mia Couto (1955) é o escritor moçambicano internacionalmente mais conhecido. Neste seu último romance alterna duas linhas argumentais, que por sua vez estão integradas por pequenas histórias que se entrelaçam, como num jogo de caixas africanas (e chinesas) de madeira talhada, que contêm outras mais pequenas. Em toda a sua obra de ficção, Mia Couto brinca com a linguagem e cria neologismos, altera a sintaxe e serve-se da tradição oral e dos provérbios. Fala de Moçambique, de África, da identidade, da memória e da amnésia colectiva.

 
Trilogía de Z Town

Trilogía de Z Town

Achmat Dangot
A África do Sul é talvez o país africano com uma tradição literária mais sólida. Os seus dois prémios Nobel (Nadine Gordimer e JM Coetzee) conseguiram fazer chegar a sua voz a todo o mundo. Mas a literatura deste país é muito mais rica: negros, mestiços, asiáticos e brancos somaram-se a correntes literárias de tipo muito diverso. Entre todos eles, destaca-se, por um estilo genial e compromisso pessoal, Achmat Dangor (África do Sul, 1948), presidente da Fundação Nelson Mandela. Trilogia de Z Town é o grande romance sobre o Apartheid. Achmat Dangor, nesta obra, recria a vida num ghetto negro, submetida à autoridade tirânica de um administrador capaz de tudo.

 
Historia de la Literatura Negroafricana

Historia de la Literatura Negroafricana

Lilyan Kesteloot
Primeira tradução para espanhol da História da literatura negro-africana, obra de referência de Lylian Kesteloot, uma das maiores especialistas neste tema. O livro trata a história da literatura africana contemporânea, escrita, que nasceu no início dos anos 30 do século XX com a criação do movimento da Negritude (Senghor - Senegal; Césaire - Martinica; Damas - Guiana), assim como o estudo dos seus antecedentes, entre eles a literatura negro-americana dos poetas do Renascimento de Harlem, nos anos vinte.

 
Amkullel, el niño Fulbé

Amkullel, el niño Fulbé

Ahmadou Hampaté Bá
"Em África, quando morre um velho, toda uma biblioteca desaparece, sem necessidade de que as chamas acabem com o papel". Talvez seja esta a citação mais lembrada do etnólogo Amadou Hampaté Ba (Mali, 1900 ou 1901), do qual se destaca o seu trabalho no campo da recuperação e transmissão da cultura africana e os seus arquivos manuscritos, fruto de meio século de investigação sobre as tradições orais. Amkullel, o Menino Fula foi publicado de forma póstuma e recolhe as suas memórias.

 
El fuego de los orígenes

El fuego de los orígenes (O fogo das origens)

Emmanuel Dongala
Os contrastes de El fuego de los orígenes/ O fogo das origens fazem desta obra um completo fresco da colonização e da independência de África. Mandala Mankuku, "o que derruba a os poderosos", encontra-se perante a opção de preservar a tradição ou submeter-se cegamente a esta. Através da apaixonante narração da sua vida, levantam-se as grandes questões que afectaram sempre o Homem: o progresso é uma fuga para a frente? Pode o Homem sobreviver à angústia do nada? É justa uma sociedade que não aceita as diferenças? É o amor mais forte do que as leis? Com uma linguagem rica e colorida, esta maravilhosa novela prende-nos com a sua nova luz.

Newsletter

E-Newsletter


Recibe nuestro boletín electrónico semanal con las actividades y noticias de Casa África.

 
 

En nuestra agenda


 
Media

Mediateca


Accede a nuestro fondo documental de libros, películas y música.

 

Quiénes somos