Exposição: Mulheres do Congo

Trabalhos de Isabel Muñoz e Concha Casajús que poderão ser visitados no Museo Nacional de Antropología, de 16/03 a 18/06/2017
Exposición: Mujeres del Congo. Trabajos de Isabel Muñoz y Concha Casajús en el Museo Nacional de Antropología del 16 de marzo al 18 de junio de 2017.

Mulheres do Congo
O caminho para a esperança
As mulheres de romperam o silêncio

Mulheres do Congo é um projeto que nasce da colaboração entre as fotógrafas espanholas Isabel Muñoz e Conha Casajús com a jornalista congolesa Caddy Adzuba, cujo apoio e proteção lhes permitiu desenvolver o seu projeto fotográfico sobre as mulheres da República Democrática do Congo (RDC), heroínas com quem Caddy trabalha diariamente.

Museo Nacional de Antropología junta agora na sua sede o trabalho que ambas as fotógrafas realizaram de forma independente na RDC, um país que acumula todo o tipo de riquezas (coltán, diamantes, ouro, petróleo, gás), mas onde grande parte da população vive em situação de pobreza e violência extrema, principalmente as mulheres.

Os conflitos pelo controlo do território nunca terminaram e as imagens que chegam à Casa África são o eco dos testemunhos das mulheres de Bukavu, na província de Kivu Sur, a Este da República Democrática do Congo. Elas conseguiram sobreviver à extrema violência que sofreram, levantando-se e seguindo em frente com uma força e coragem que merecem a nossa mais profunda admiração e respeito.

Esta exposição tem como objetivo reunir as histórias de mulheres valentes que conseguiram sobreviver e libertar-se do sofrimento, e que finalmente conseguiram seguir em frente com dignidade. O nome da cada obra em separado dá ideia da mensagem que se pretende transmitir. Muñoz reúne as suas fotografias sob o título O caminho para a esperança e Casajús intitula-as As mulheres que romperam o silêncio.

As fotógrafas partilharam o seu dia-a-dia com estas sobreviventes, uma luta feroz contra as suas próprias vidas que demonstra que estão preparadas para tomar as rédeas do seu destino. Juntamente com as mulheres ativistas de Bukavu que as acompanham, estas mulheres, que sobreviveram à violência sexual como arma de guerra, querem mostrar através desta exposição a sua determinação para enfrentar o sofrimento e dizer definitivamente NÃO à sua condição de vítimas. Uma verdadeira marcha até à vitória contra a violência sexual.

Este projeto pretende também apelar à reflexão dos interessados na luta contra a violência sexual exercida contra as mulheres e as meninas, para que assumam um compromisso real e eficaz através de ações concretas e, assim, prestar assistência às mulheres que se encontram nesta situação.

Outra das finalidades desta exposição é denunciar perante as Nações Unidas que a Convenção 1325 do Conselho de Segurança da ONU está muito longe de ser aplicada e que a proteção das mulheres continua a ser uma questão fulcral.

Digigraphie® de Epson certifica a originalidade dos quadros de Isabel Muñoz

 
 
 
Compartir con:
 
 
Newsletter

E-Newsletter


Recibe nuestro boletín electrónico semanal con las actividades y noticias de Casa África.

 

Quién es Quién en África


 

  • Filter by:
 
of426

There are no results for this search
 

Efemérides


Premios de Casa África


Premios Griot de Ébano, Premios de Ensayo, Premios de cine...